sábado, 22 de outubro de 2011

CAIXA DE PANDORA





A Caixa de Pandora - Ao homem imprudente e temeroso são atribuidos os males humanos
A Caixa de Pandora 
- Ao homem imprudente e temeroso são atribuidos os males humanos

Conta-nos as várias versões do mito grego
que Prometeu (o que vê antes ou prudente, previdente) 
é o criador da humanidade. 

Era um dos Titãs, filho de Jápeto e Clímene e também irmão de Epimeteu (o que vê depois, inconsequente), Atlas e Menécio. Os dois últimos se uniram a Cronos na batalha dos Titãs contra os deuses olímpicos e, por terem fracassado, foram castigados por Zeus que então tornou-se o maior de todos os deuses.

Prevendo o fim da guerra, Prometeu uniu-se a Zeus e recomendou que seu irmão Epimeteu também o fizesse. Com isso, Prometeu foi aumentando os seu talentos e conhecimentos, o que despertou a ira de Zeus, que resolveu acabar com a humanidade. Mas a pedido de Prometeu, o protetor dos homens, não o fez.

Um dia, foi oferecido um touro em sacrifício e coube a Prometeu decidir quais partes caberiam aos homens e quais partes caberiam aos deuses. Assim, Prometeu matou o touro e com o couro fez dois sacos. Em um colocou as carnes e no outro os ossos e a gordura. Ao oferecer a Zeus para que escolhesse, esse escolheu o que continha banha e, por este ato, puniu Prometeu retirando o fogo dos humanos.

Depois disso, coube a Epimeteu distribuir aos seres qualidades para que pudessem sobreviver. Para alguns deu velocidade, a outros, força; a outros ainda deu asas, etc. No entanto, Epimeteu, que não sabe medir as consequências de seus atos, não deixou nenhuma qualidade para os humanos, que ficaram desprotegidos e sem recursos.

Foi então que Prometeu entrou no Olimpo (o monte onde residiam os deuses) e roubou uma centelha de fogo para entregar aos homens. O fogo representava a inteligência para construir moradas, defesas e, a partir disso, forçar a criação de leis para a vida em comum. Surge assim a política para que os homens vivam coletivamente, se defendam de feras e inimigos externos, bem como desenvolvam todas as técnicas.

Zeus jurou vingança e pediu para o deus coxo Hefestos que fizesse uma mulher de argila e que os quatro ventos lhe soprassem a vida e também que todas as deusas lhe enfeitassem. Essa mulher era Pandora (pan = todos, dora = presente), a primeira e mais bela mulher já criada e que foi dada, como estratégia de vingança, a Epimeteu, que, alertado por seu irmão, recusou respeitosamente o presente.

Ainda mais furioso, Zeus acorrentou Prometeu a um monte e lhe impôs um castigo doloroso, em que uma ave de rapina devoraria seu fígado durante o dia e, à noite, o fígado cresceria novamente para que no outro dia fosse outra vez devorado, e assim por toda eternidade.


No entanto, para disfarçar sua crueldade, Zeus espalhou um boato de que Prometeu tinha sido convidado ao Olimpo, por Atena, para um caso de amor secreto. Com isso, Epimeteu, temendo o destino de seu irmão, casou-se com Pandora que, ao abrir uma caixa enviada como presente (e que Prometeu tinha alertado para não fazê-lo), espalhou todas as desgraças sobre a humanidade (o trabalho, a velhice, a doença, as pragas, os vícios, a mentira, etc.), restando dentro dela somente a ilusória esperança.

Por isso, o mito da caixa de Pandora quer significar que ao homem imprudente e temeroso são atribuídos os males humanos como consequência da sua falta de conhecimento e previsão. Também é curioso observar como o homem depende de sua própria inteligência para não ficar nas mãos do destino, das intempéries e dos próprios humanos.

Por João Francisco P. Cabral
Colaborador Brasil Escola
Graduado em Filosofia pela Universidade Federal de Uberlândia - UFU
Mestrando em Filosofia pela Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP
 
Li

Fonte:
Brasil Escola » Filosofia 
http://www.brasilescola.com/filosofia/
Sejam felizes todos os seres. Vivam em paz todos os seres.
Sejam abençoados todos os seres.

sexta-feira, 21 de outubro de 2011

DA EXISTÊNCIA DE DEUS E SUAS REVERBERAÇÕES




SUMÁRIO: 
1. Resumo . 2. Introdução. 3. A Religião. 
3.1 O Misticismo Antigo. 3.2 As Crenças Monoteístas.
3.3 A Natureza da Religião. 4. A Moral. 5. A Existência de Deus.
5.1 Deus e a Religião. 5.2 Deus no pensamento filosófico.
6. O Questionamento de Ivan Karamazovi. 7.
Conclusão. 8. Referências Bibliográficas

1. RESUMO

O trabalho encerra uma exposição crítica sobre a repercussão da existência de e da crença em Deus. A temática é avaliada no campo da conduta humana, principalmente no que concerne à religião, à moral, à ética e ao Direito. Como ensaio jurídico, o texto procura trazer as indagações para o mundo do dever-ser.Palavras-chave: DEUS – RELIGIÃO – MORAL – ÉTICA – DIREITO

2. INTRODUÇÃO
Este artigo tem o propósito de analisar o célebre questionamento do livro "Os Irmãos Karamázovi" de Dostoievski: "Se não há Deus, tudo é permitido?" a luz da religião, da moral e da ética, mas, sobretudo, do Direito. Tais as etapas que deverão ser superadas para resultar, ao final, um aclaramento da questão.

O homem é um animal versátil. Animado pelas emoções mais díspares e pelas razões mais disformes, dotado das virtudes mais belas e dos defeitos mais torpes. Mas, entre todos os sentimentos que povoam e consomem o interior humano, a fé é o mais interessante e controverso. Para firmar sua fé, o homem instituiu a religião e depois, para negá-la, criou a ciência.

Ora, religião e ciência passam a andar em sentidos diametralmente opostos, sendo vãs as tentativas daqueles que intentam buscar um equilíbrio. Tal fato não é de difícil percepção, quanto mais uma pessoa se aproxima da ciência, mais se afasta da religião. E o mundo caminha no sentido de construir um apartheid entre crentes e céticos.

Contudo, toda essa reflexão paira na imensa celeuma da existência ou não de Deus. Não se chegará nunca a um consenso? Pode-se aferir que Deus passou a existir no momento em que foi criado pelo homem ou no momento em que o criou e se fez perceber. Acredite-se ou não, enquanto alguém crer em Deus, ele existirá, e os outros, ainda que céticos, precisarão conviver com o fato de Ele existir para esse alguém.
Textos relacionados

    A proximidade física entre acusador e julgador na colheita da prova no processo penal brasileiro. Um olhar filosófico
    Teoria marxista do estado capitalista: uma comparação entre Gramsci e Poulantzas
    O pensamento político de John Locke
    A teoria da norma jurídica mediante uma análise iusfilosófica esquemática
    A viabilidade da teoria da argumentação jurídica na aplicação dos direitos fundamentais. Uma análise a partir da colisão de princípios com base no caso Siegfried Ellwanger (julgamento pelo STF do HC 82.424-2)

Ao grande questionamento dos irmãos Karamázovi, não é a existência ou não de Deus que afeta os limites do possível, se o admitirmos como algo já criado, mas sim quais as conseqüências advindas da crença ou da descrença. Deus, visto como um freio à conduta, como o grande julgador, é o conflito presente. A partir do momento em que o homem assume que não há nenhum ser superior que avaliará se seus atos foram ou não virtuosos, que barreiras haveria à plenitude do seu agir? Apenas à clava da lei caberá refrear os impulsos deste homem?

3. A RELIGIÃO
O misticismo em que estava embebido o homem primitivo levou-o a estabelecer uma série de ritos a serem observados quanto aos funerais, ao casamento, e a outras cerimônias. O conjunto destes ritos se solidificou na religião. Os banquetes, a manutenção do fogo sagrado no lar, as libações aos mortos eram todos circundados por uma atmosfera mística. Claramente, percebe-se como a família estava regida pela religião, uma vez que os laços só valiam se estivessem de acordo com o cerimonial religioso. Aos poucos foram aparecendo indivíduos encarregados de tais tarefas e de verificar se os deuses estavam satisfeitos (sacerdotes). Grave impiedade era deixar extinguir-se o fogo do lar [01].

De fato, desde os tempos mais remotos, o ser humano esteve ligado a figuras divinas. Fosse para explicar os fenômenos naturais que não compreendia, fosse para cultuar seus antepassados (o xintoísmo japonês é um exemplo) ou as grandes personalidades de seu povo (heróis), como muito bem apontado por Fustel de Coulanges. Deuses da chuva, do vento, do fogo, da colheita atenderam às primeiras necessidades idólatras dos homens. Posteriormente, também a sabedoria, o amor, a morte, o sexo, ganharam figuras divinas. Uma rápida olhadela nas grandes religiões da Antigüidade já nos basta para compreender esse fenômeno.

A religião antropozoomórfica (mescla de figuras humanas com de outros animais) egípcia tinha por deuses Rá (deus do sol), Osíris (deus dos mortos e do renascimento), Seth (deus do julgamento final que pesava o coração dos homens para deixá-los ou não adentrar no "paraíso", de acordo com a mitologia) dentre outros. Os gregos elevaram o homem à categoria de divindade, pois seus deuses se pareciam com homens e sofriam com as mesmas paixões humanas. Zeus, Hades e Poseidon são alguns exemplos. Também as virtudes humanas são protegidas pelos habitantes do Olimpo, como a sabedoria (Atena) e a justiça (Themis).

Os hindus articularam uma religião muito parecida (politeísta) às duas mencionadas antes. Porém, o hinduísmo se concentrou em direcionar a vida humana, sendo uma religião embasada em leis (dharmas). Muitas vezes se confundido com a filosofia, o que também ocorre com o budismo e o taoísmo. Este primeiro, fundamentado na idéia de compreensão e superação do sofrimento inerente à condição humana, distancia-se bastante dos "mitologismos". O segundo se formou da mistificação dos ensinamentos de Lao Tse.

3.2 As Crenças Monoteístas
Os judeus foram os responsáveis pela criação de um deus ordenador (decálogo) através de leis rígidas e divinizadas, que exigia de seus filhos a obediência por serem o "povo escolhido", prometendo-lhes a salvação com a vinda do Messias. Sobretudo à moral e à religião judaica se devem as idéias de um deus transcendental e grande julgador. Os hebreus estatuíram uma religião monoteísta e direcionavam suas ações de acordo com os preceitos dela em face de um temor a Deus.

O cristianismo surgiu dentro da idéia messiânica judaica e, como os judeus se negaram a reconhecer Cristo com filho de Deus, caminhou no sentido de se libertar da tradição hebréia, conforme a Bíblia. A ação de Jesus, sobretudo como pedagogo, num primeiro momento atenuou o caráter jurídico da religião hebraica. Os judeus perdem o privilégio de povo escolhido, e o cristianismo floresce num ideal de disseminação da palavra de Deus a todos os povos.

Tendo abalado a lei mosaica e a moral judaica, o cristianismo pôde se desvincular da idéia messiânica e dar maior foco à idéia de salvação através da superação da morte com a ressurreição de Cristo. Com o trabalho de pregação dos apóstolos, sobretudo de Paulo, em pouco tempo a religião cristã se espalhou pelo Império Romano.

Outra vultosa religião monoteísta é a islâmica. Representa um retorno ao monoteísmo absoluto e transcendental. O islamismo prega a rendição (islam) do homem em face de Deus (Allah). Tem sua base no Corão e Maomé seu principal profeta. Maomé, olhando para a enorme fragmentação política em que se encontravam os árabes, começa uma peregrinação direcionada a exultar a harmonização entre as regras jurídicas, morais e religiosas em torno de um único deus e legislador. Outra característica importante da religião maometana é a guerra santa (djihad), ou seja, o dever do islamita de levar o islã aos infiéis, belicamente se preciso.

3.3 A Natureza da Religião
Cabe agora analisar a natureza da religião após todo este apanhado histórico das religiões mais difundidas no mundo. O que têm em comum? Todas as religiões se apóiam em um elemento transcendental. Assim, a religião é metafísica. A crença se baseia em divagações e fabulações, procurando fazer o homem atingir um estado de transe de forma a induzi-lo a acreditar na existência de uma realidade paralela ou superior. No entanto, muitas vezes é a mera superstição, ou ainda a magia, que efetua essa tarefa. E para se alcançar esse estágio, utiliza-se até de meios como a hipnose e os alucinógenos.

A religião, como afirmado, brota de uma necessidade humana de explicar. Todavia, diferentemente da ciência, a "explicação" é pautada quase que apenas na crença. A crença é fortalecida pelo rito para conseguir perpetrar a dita explicação. Com muita propriedade, Henri Bergson afirma:

    "A religião coage a disciplina. Para isso são necessários exercícios persistentemente repetidos, como aqueles cujo automatismo acaba por fixar no corpo do soldado a firmeza moral de que terá necessidade na hora do perigo. Isso significa que não há religião sem ritos e cerimônias. A esses atos religiosos a representação serve sobretudo de ensejo. Eles emanam sem dúvida da crença, mas reagem logo sobre ela e a consolidam: se há deuses é preciso dedicar-lhes um culto, mas a partir do momento em que há culto, é que existem deuses. [02]"

Outra necessidade e função é a de reconfortar o homem perante seus obstáculos, seus medos, suas angústias, sobremaneira a morte. O ser humano é obstinado pela vida, mas, por ter a razão, sabe que morrerá. A mesma racionalidade que o possibilita saber que vive o assombra com a perspectiva da morte. Nada melhor que delegar à religião a resposta desse dilema. E ela o resolve com a vida eterna, com a reencarnação, com o paraíso após a morte. Daí porque todas as religiões também circulam em torno da idéia da alma e de sua imortalidade.

A religião também se apresenta como meio de regular a convivência humana. Ela é a primeira forma de direito. Conforme aferido anteriormente, se há um procedimento religioso, ele precisa ser observado, se deve ser observado, converte-se em regra. Como uma norma pouca eficácia detém sem uma sanção, a religião também deve intimidar, atuando como mecanismo de controle. Evidente é a sua estreita relação com o direito.

Ora, a natureza da religião não é outra senão cultural, fruto da invenção humana. Contudo, o fato de a religião ser criação humana faz com que, por conseqüência, Deus também o seja? Aparentemente não, ele poderia existir já que as cerimônias, as preces, os sacrifícios e a veneração são produtos da obra humana não de Deus. Existindo Deus, o homem sabe como cultuá-lo? Ele deve ser cultuado? Ainda não podemos solucionar essas indagações, a existência de Deus será abordada no momento oportuno.

4. A MORAL
Muito ligada à religião está a moral. Mas, ao contrário da primeira, ela não se circunda de elementos místicos e transcendentais. Mais palpável e fruto da convivência social, a moral está assentada na idéia de obrigações devidas pelos membros da sociedade entre si. Contudo, diferentemente das leis positivas, a coação não é exercida por meio de um ente superior (Estado), mas pela própria comunidade. A observância da moral implica numa idéia de reciprocidade; referente a um modo de agir.

A palavra moral vem do latim mores que significa costume. Ela compreende o conjunto de normas aceitas como boas por determinado grupo humano num espaço e num tempo. Daí sua enorme conexão com o Direito. Divide-se em moralidade objetiva e subjetiva; a objetiva cuida do sistema racional de determinações da Idéia que está relacionada à subjetiva que opera na vontade [03]. A ética seria a ciência da moral. Fato é que a regra moral muitas vezes não é observada, como qualquer norma.

A moral platônica se resume à exaltação das quatro grandes virtudes: a sabedoria, a temperança, a fortaleza e a justiça levadas a dominar o espírito humano irascível e concupiscente [04]. A moral de Aristóteles está centrada na afirmação do homem como ser racional; suas ações seriam morais se fossem racionais. Ele também associa a moral à política [05]. Vistas essas duas elucidações, não nos cabe aqui analisar o emaranhado de preceitos morais de cada época ou pensador, mas sim uma exposição breve sobre o cerne da questão que cumpra com o objetivo do tema proposto.

5. EXISTÊNCIA DE DEUS
A idéia de Deus é a pedra angular da religião. Todavia, o uso que a religião faz da noção divina não comunga da hipótese metafísica da existência de Deus. Foi visto que a religião procura desvendar a idéia de Deus em próprio benefício, ou seja, justificar-se. A religião se torna uma popularização de Deus. Convém que se detalhem um tanto mais essas assertivas.

A religiosidade não advém da idéia de Deus. Conforme o analisado anteriormente, a religião é uma invenção humana. Ora, ela existe mesmo sem existir Deus. É um conjunto de rituais. Há variadas formas de religião cada uma cultuando algo. Interessam-nos as que rendem devoção a um ser superior – Deus. Assim, quando dissemos que Deus é a pedra angular da religião, referíamo-nos àquelas transcendentais. Estas sim requerem uma explicação de Deus para se perpetuarem.

5.2 Deus no pensamento filosófico
Afirmamos que a noção metafísica de Deus não coincide em geral com a apresentada pela religião [06]. Mas qual é ela? Em Platão, a metafísica seria o domínio das idéias, portanto, a noção de divino repousava na perfeição, na idéia de Bem [07]. Deste modo, Deus seria o vértice donde proveria a realidade concreta, contudo deformada [08]. Com Aristóteles, a noção de Deus se aprimora. Começa com a teoria da potência (possibilidade e capacidade) e do ato (realidade) unidas na mudança da matéria para a forma. Dentro desta síntese, ele explica a realidade física e propõe um motor, ou seja, algo que faça essa síntese ocorrer já que a matéria não tomaria forma sozinha, estabelecendo como primeiro motor Deus [09].

Na Idade Média, Santo Agostinho desenvolve o entendimento de Deus a partir da orientação platônica do Bem como convergência da ação de Deus como ser perfeitíssimo [10]. São Tomás de Aquino, ao contrário de Agostinho, que detinha uma visão apriorística do ente divino maior, concebe Deus, a posteriori, como o fizera Aristóteles. Para ele, Deus é apenas cognoscível por demonstração (cinco provas) e da noção de primeiro motor, Tomás de Aquino o estabelece como criador [11].

No Renascimento, as concepções de Deus se tornarão apenas reedições do platonismo em Tomás Campanella e do aristotelismo como nos pensamentos de Bruno. O Deus da renascença é imanentista e humanista, negada a possibilidade de uma religião verdadeira que o compreenda totalmente. Também nessa fase a ciência começa a se desvencilhar da Filosofia (Galileu Galilei).

Com o racionalismo de Descartes e de Spinoza, Deus novamente passa a habitar o mundo das idéias de onde provém todo o raciocínio. Malebranche reafirma o pensamento ontológico nos moldes neoplatônicos. Leibniz estabelece um sistema de átomos espirituais (mônadas) como criadores de tudo, regulados por Deus. Com o empirismo, Bacon, Hobbes e Locke trazem o materialismo de volta para a metafísica, negando a veste transcendental divina. Com Hume, toda a religião natural é demolida [12]. Essas correntes dominaram o cenário do Iluminismo europeu, que desembocou na Revolução Francesa.

Modernamente, Kant apresenta a existência de Deus como um postulado, como uma necessidade lógica dentro da moral subjetiva [13]. Refutando a religião mística, Hegel pondera que em prol do Estado ela pode existir e mesmo ser praticada [14]. Assim sendo, ele admite em seu pragmatismo a fé e, se voltada ao Estado, a recomenda. O Deus de Hegel é o Estado. Com Marx a religião será abnegada com todas as forças. Karl Marx exulta a capacidade humana, e como Feuerbach, transforma a criatura em criador. No comunismo marxista não havia lugar para um ser supremo [15].

Por fim, encerrando a exposição metafísica da existência de Deus, convém dar a palavra a Michele Federico Sciacca, que, inferindo ser o universo em si absurdo, pronuncia:

    "Segue-se daqui que o sentido absurdo do real, que tratamos de descobrir, não pode ser imanente à realidade finita. Se assim fosse, não se pensaria na hipótese ‘Deus’, já que o objeto de nossa investigação seguiria sendo a realidade mundana. Portanto, só o conceber da hipótese já dá uma orientação em outra direção: na da existência do Ser ‘transcendente’. Em conseqüência, a colocação racional parece ser a seguinte: a) existe a realidade finita e contingente; b) como tal, suscita a hipótese da existência do Ser existente por si e princípio daquela realidade; c) portanto, o ser existente por si não pode ser procurado entre os entes finitos, nenhum dos quais é absoluto e incondicionado, nem tampouco pode ser buscado na unidade e na totalidade (no ‘mundo’) dos entes finitos – Deus, como unidade impessoal, é a mais pobre e inerte das ficções –; d) entes finitos estes que, todos contingentes, atestam uma dependência comum. [16]"

A racionalidade humana não concebe o absurdo, sobretudo quanto ao problema da origem, pois que Deus se torna explicável e necessário para apaziguar a mente humana. A hipótese Deus é razoável.

6. O QUESTIONAMENTO DE IVAN KARAMAZOVI
É neste ponto para que toda a divagação exordial converge a fim de se tentar elucidar a indagação aventada. Ora, do que foi explanado sobre a religião, a moral e Deus é possível perceber porque essa temática causou e causa tamanho rebuliço entre os filósofos. O que estaria Ivan Karamazovi querendo afirmar, ou deixar implícito, quando disse que se não houvesse Deus tudo seria possível? A metafísica apontou-nos a existência de um Ser incondicionado, consciente e auto-suficiente e chamou-lhe Deus. Mas seria o mesmo Deus a que se referia Ivan?

Chega-se ao ponto crucial da abordagem que ensejamos fazer. Ivan era um humanista, estava ele provavelmente se referindo ao Deus transmutado da religião, sobretudo a cristã, que é vinculado ao grande juiz. Evidente a presença de uma negação da moral religiosa, pois, não havendo Deus, todos os ritos, todos os costumes cairiam por terra e a religião restaria inerte. Ora, foi apurado que a moral atua sobre o homem como um freio, uma vez que tem caráter essencialmente restritivo-normativo. Assim, que obstáculos poderia haver à prática de todo o agir?

Contudo, não haveria o Direito de reger e se encarregar de julgar tais atitudes? De certo que sim, no entanto, escapando-se à espada da justiça o agente não teria qualquer norma que lhe ditasse sanção. Também a moral seria inútil. Inexistindo o Ser supremo dotado de onisciência e onipotência, a plenitude da ação humana seria repleta. É isso que afirma a personagem de Dostoievski. E ele completa com a negativa da existência de Deus.

Por outro lado, as conjecturas do presente estudo já nos evidenciaram que a hipótese Deus é razoável. Porém, admitindo-se que não fosse, ainda haveria barreiras à plenitude do agir? De certo, a Ética nos ensina os valores que precisamos preservar, não porque temamos a Deus, mas pelo fato de sermos humanos. O fundamento ético pressupõe um modelo de vida no qual o homem possa, melhor, consiga e queira julgar, decidir ou condenar com justiça, estimar ou crer no bem e na virtude e separar, escolher ou comparar o bom e o ruim, o certo e o errado. Claramente subjetiva, uma vida ética é rodeada de princípios e a escolha do ser em querer ou não segui-los determinará se é ou não ético.

A Ética reside na consciência humana, pois todo ser é dotado da capacidade de discernimento. Como ciência principiológica por excelência, ela orienta as ações do homem. Os princípios éticos são normas axiológicas porque exigem um juízo de valor para serem compreendidos e aplicados. Assim, quais seriam os grandes valores éticos? A verdade, a justiça e o amor [17].

Verdade é aquilo que é certo e inspira confiança e fidelidade. A justiça, como consagrada por Platão, consiste em não fazer aos outros o que não se quer para si, é a virtude que serve aos outros e não ao sujeito. Outra visão da justiça, que implica em uma relação clara de alteridade, repousa na afirmação de Leonard Nelson: "Nunca ajas de tal maneira que não aprovasses tua ação se todos os interesses afetados fossem os teus [18]". O amor é o grande dom da humanidade. Nas palavras de Fábio Konder Comparato, é "uma doação completa e sem reservas, não só das coisas que nos pertencem, mas da nossa própria pessoa. Aquele que ama torna-se despossuído de si mesmo: ele nada retém para si, mas tudo oferece ao outro [19]".

A razão de estes princípios precisarem ser observados é da própria matriz teleológica humana, a felicidade [20]. Ninguém pode ser feliz sem verdade, justiça ou amor; nós precisamos de tudo isso e por essa causa devemos procurá-los e praticá-los. É um imperativo da condição humana, quase que fisiológico.

Respondendo à interrogação inicial, não é Deus que cerceia a atividade humana, mas a própria ação humana e seu modo de viver, a sociedade. Assinalar Deus como responsável é descabido e não próprio da racionalidade do homem. Derisi explica assim: "porque não tem o conceito próprio de Deus, a inteligência pode ver e a vontade atrás dela pode querer o bem em si, sua felicidade, em um bem fora do verdadeiro bem [21]" (tradução nossa), o bem real é Deus, portanto é próprio do homem terreno ter sua inteligência ofuscada. Contudo, o mérito da Ética também é abraçar esse homem e fazê-lo cumprir seus preceitos. Ainda assim, os que se recusam a aceitar a Ética, dificilmente fogem do seu mínimo, o Direito.

7. CONCLUSÃO
Um trabalho acerca de tema tão amplo não se encerra facilmente. Longe de esgotar o tema, espera-se ter conseguido demonstrar três aspectos importantes. Primeiro, a evidente relação da temática com o mundo jurídico, tornada clara na proximidade da moral e da religião com o Direito e também a congruência que uma análise sobre a conduta do homem possui com o mundo do dever-ser, palco honorário das divagações sobre os elementos normativos, subjetivos e coativos que a circundam.

Também, a sensível diferença existente entre o Deus metafísico e o Deus religioso, manifestada na racionalidade como grande divisora de águas, conquanto a Teologia, sobremaneira a cristã, tenha se esforçado para embasar racionalmente o conceito místico de Deus. Esse Deus teológico pode ser aceito, mas a mística deve ser rechaçada. Outro ponto, e o final, é a importância da Ética como mantenedora de um sistema normativo-principiológico paralelo, sem recorrer a figuras transcendentais como Deus ou à coercitividade jurídica, e atuante sobre a conduta humana.


8. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICASARISTÓTELES. Ética a Nicômaco.
Tradução de Pietro Nassetti. São Paulo: Martin Claret, 2006.


BERGSON, Henri. 
As Duas Fontes da Moral e da Religião. 
1ª ed. Tradução Nathanael C. Caixeiro.
Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1978.


Fonte:
JUS Navigandi
/ATR%202010/Desktop/
da-existencia-de-deus-e-suas-reverberacoes-na-conduta-humana.htm
Sejam felizes todos os seres. Vivam em paz todos os seres.
Sejam abençoados todos os seres.

quinta-feira, 20 de outubro de 2011

Wolfgang Amadeus Mozart Great Mass in c KV 427










Enviado por em 29/01/2011
Música-Wolfgang-Amadeus
Licença padrão do YouTube

mozart requiem karajan



wolfgang amadeus mozart

requiem in d minor, k 626
herbert von karajan

wiener philharmoniker
wiener singverein
1986
anna tomowa sintow
helga muller molinari
vinson cole
paata burchuladze


2:05 I. Introitus
7:34 II. Kyrie

III. Sequentia

10:16 1. Dies irae
12:09 2. Tuba mirum
16:01 3. Rex tremendae
18:22 4. Recordare
23:32 5. Confutatis
25:54 6. Lacrimosa

IV. Offertorium
29:29 1. Domine Jesu
33:22 2. Hostias
38:00 V. Sanctus
39:50 VI. Benedictus
45:30 VII. Agnus Dei
49:13 VIII. Communio
thanks aveshsu for his kind care for the time listing.
Mozart-requiem -karajan
Enviado por em 16/04/2011
    Licença padrão do YouTube 

    terça-feira, 18 de outubro de 2011

    ZEUS – JÚPITER




    ZEUS – JÚPITER

    Zeus (nome grego) – Júpiter (nome romano)

    ZEUS – DEUS DO PANTEÃO OLÍMPICO

    Brilhar; perspectiva ampla; origem da constelação da Serpente e das Ursas; fundador de uma nova era; formar alianças para consolidar seu poder e impor sua vontade sobre os outros; consciência onde leva a atitudes conscientes, onde é exaltado o controle, a razão, a vontade e o poder; rapidez para decidir e imediatamente agir; discurso duro e forte impondo seu poder absoluto; envolvimento emocional para fazer alguma coisa para corrigir os erros do meio ou das pessoas; visão distante; justiça; raio; poder punitivo por uma ação fulminante; aventuras; juizes e advogados; sabedoria e prudência; destino; várias uniões; paixões repentinas; artifícios; pensar grande; postura majestosa; generosidade por desejo de controlar; viagens; tem características sagitarianas.
    ZEUS
    Governante do Monte Olimpo, rei dos deuses e dos homens, deus do tempo, sexto filho de Cronos e de Réia. Estava destinado a ser comido pelo pai, como seus irmãos.

    Mas a mãe o escondeu, dando a Cronos uma pedra para comer. Depois de crescido, Zeus deu uma beberagem a Cronos e o fez vomitar filhas e filhos, que se uniram a Zeus contra os deuses mais velhos.
    Usando raios roubados, eles ganharam a batalha e o universo...

    Zeus tomara como sua primeira amante Métis – a Prudência. Gaia que representa a terra (uma das divindades primordiais, avó de Zeus), e Urano, o céu, filho e amante de Gaia, haviam revelado a Zeus que se ele tivesse uma filha, e depois um filho homem de Métis, este seria mais poderoso que o pai, e lhe tomaria o poder supremo, assim como ele, Zeus, havia feito a Cronos.

    Quando Métis ficou grávida pela primeira vez, Zeus engoliu-a para que a profecia de Gaia não se concretizasse. Ao término da gestação, Zeus começou a ter terríveis dores de cabeça.

    Não sabendo a razão das dores que o enlouqueciam, Zeus ordenou a Hefesto, um deus ferreiro, que lhe abrisse a cabeça com um machado.
    Da cabeça fendida de Zeus saltou Atena (Minerva) já adulta, inteiramente vestida e armada com a égide e a lança. Atena lançou um terrível grito e dançou a pírrica, dança de guerra.

    A égide era um escudo
    coberto com pele de cabra 
    que funcionava como arma defensiva e ofensiva.

    Enquanto deusa da astúcia e da prudência, da guerra, e sobretudo da capacidade de criar estratagemas, engenhos, planos e métodos de ação para realização de objetivos concretos, Minerva tem entre os heróis e os guerreiros, seus favoritos e protegidos.

    Assim, muitas de suas histórias mais conhecidas, tratam do auxílio e do aconselhamento que ela presta, imprescindíveis para que os heróis consigam realizar seus feitos mais gloriosos.
    Dentre as mais conhecidas são as de Perseu e a Cabeça de Medusa, Os Doze Trabalhos de Hércules, O Cavalo de Tróia e o Mito dos Argonautas.

    JÚPITER
    Em grego, Zeus. O mais poderoso dos deuses. Era filho de Saturno e de Réia. Saturno recebera de seu irmão Titã o império do mundo, com a condição de que não criaria jamais nenhum filho masculino; todos aqueles que nascessem, seriam devorados por ele.

    Réia, que tivera a dor de ver vários de seus filhos devorados pelo marido, sentindo-se novamente grávida, dirigiu-se para a ilha de Creta, onde deu à luz Júpiter; em seguida para enganar o marido, deu-lhe uma pedra embrulhada em panos, que o voraz deus logo engoliu sem se dar conta do logro.

    O deus recém-nascido 
    foi aleitado numa gruta do monte Ida 
    pela cabra Amaltéia, e cuidado pelas Ninfas. 

    Logo que Júpiter cresceu e soube ser filho de Saturno, dirigiu-se ao pai a fim de que este o reconhecesse como filho.
    Titã, que ignorava a burla, acusou Saturno de fraude; prendeu-o e pôs Júpiter no trono. Este atacou o Titã, libertou seu pai e colocou-o, novamente, no trono.
    Saturno, espantado com a força do filho, procurou por todos os meios ver-se livre dele. Júpiter revoltou-se, então, contra o pai, expulsou-o do céu e obrigou-o a ir morar no Lácio.

    Feito senhor absoluto do mundo, reservou-se o reino dos Céus, deu os mares a Netuno e os Infernos a Plutão. De tantas amantes teve um número imenso de filhos.
    IV ZEUS IV
    Zeus é o deus supremo da mitologia grega. Na mitologia romana ele recebe o nome de Júpiter, é em homenagem ao deus dos deuses que foi dado seu nome ao maior dos planetas do sistema solar.

    Zeus é o chefe dos deuses no Olimpo e seus símbolos são o cetro, o relâmpago e a águia. Ele governa os céus, tem o poder de lançar raios, dissipar as nuvens e fazer chover abundantemente, assim fertilizando o solo.
    Filho de Cronos e Réia, tinha ainda as irmãs Hera, Héstia e Deméter. Havia uma profecia que dizia que um dos filhos de Cronos iria destroná-lo, o que levou Cronos a engolir seus filhos logo que nasciam.

    No nascimento de Zeus, Réia quis evitar aquela situação e ofereceu a seu marido, uma grande pedra toda enfaixada, Cronos engoliu-a imediatamente.
    Depois de muitos anos, quando Zeus foi apresentado a Cronos, seu pai não o reconheceu e aceitou uma poção preparada com néctar que o fez vomitar a pedra e todos os irmãos e irmãs de Zeus.

    Estes se uniram e venceram uma guerra contra os Titãs que durou dez anos, após a vitória, Zeus, Possêidon e Hades dividiram o planeta entre eles e passaram a governar o seu território escolhido.

    Zeus é sem dúvida alguma, a maior entidade da mitologia clássica. Esta carta simboliza a grandeza, a pompa, poder, onipotência e a proteção da família.
    No sentido positivo também pode significar liderança, popularidade, ambição, evolução e habilidade com cargos de confiança, poder e autoridade. Representa ainda a possibilidade de se atingir o máximo em relação ao que se deseja.

    Quando Zeus aparece para um homem é provável que ele precise se defender com mais avidez. Já para uma mulher, pode significar que ela não deva ser tão submissa aos seus namorados ou marido, nem às suas amigas.

    Ao aparecer invertida, a carta representa autoritarismo, ressentimento, rebeliões, corrupção ou dominação sexual excessiva. Na vida profissional pode significar falta de capacidade em chefiar ou de talento para posições de autoridade.

    A carta Zeus invertida pode significar também brigas e discussões em abundância, escândalos e até confusões e problemas com a lei.
    Numa analogia com o Tarôt de Marselha, Zeus corresponderia ao Imperador, que é a corporificação da autoridade e da lei.




    Li

    Fonte:
    GIRAFAMANIA
    http://www.girafamania.com.br/historia_arte/mitologia-grega-zeus-jupiter.html
    Esta página é parte do site
    GIRAFAMANIA

    Sejam felizes todos os seres. Vivam em paz todos os seres.
    Sejam abençoados todos os seres.

    LEONARDO DA VINCI e A BELLA PRINCIPESSA



    culture, Leonardo da Vinci, lost and recovered art, art auction, renaissance art, art controversy, sforzidad, ancient book, la bella principessa,
    A recreation of what La Bella Principessa would have looked like as a page in the Sforziad.
    CREDIT: Martin Kemp, Pascal Cotte and Lumiere Technologies
    . [See images of the portrait and book]
    From storage to source
    culture, Leonardo da Vinci, lost and recovered art, art auction, renaissance art, art controversy, sforzidad, ancient book,
    The debated portrait might have been created by Leonardo da Vinci.
    CREDIT: artwork in the public domain


    Matching page to book
    culture, Leonardo da Vinci, lost and recovered art, art auction, renaissance art, art controversy, sforzidad, ancient book,
    Marks on the Sforziad and La Bella Principessa line up
    CREDIT: Martin Kemp, Pascal Cotte and Lumiere Technologies
     Leonardo da Vinci,obra de arte perdida e recuperada,está no leilões de arte, arte renascentista, a controvérsia arte, sforzidad, livro antigo, la bella principessa,

    A recriação do que La Bella Principessa teria parecido como uma página na Sforziad.CRÉDITO: Martin Kemp, Pascal Cotte e Lumiere TechnologiesVer imagem em tamanho completo
    Este artigo foi atualizado domingo, 16 de outubro às 1:37 pm ET
    Casa de leilões Christie pode ter vendido uma parte inestimável de arte de Leonardo da Vinci para um pouco mais de US $ 21.000, de acordo com pesquisadores que afirmam ter identificado as origens da pintura muito debatido.
    A pintura parece ter vindo de um livro de 500 anos, contendo a história da família do Duque de Milão. O historiador de arte Martin Kemp, da Universidade de Oxford, acredita que a pintura mistério, que apareceu em 1998, é um retrato da filha do duque, criado por da Vinci para seu livro de casamento. [Veja as imagens do retrato e livro]
    "Sabíamos que veio de um livro, você tem a pelos furos da costura e pode ver o corte da faca. Encontrá-lo é um milagre de uma maneira. Fiquei espantado", Kemp disse LiveScience. "Ao fazer a pesquisa histórica em 500 anos de idade, objetos ... você mal começa o círculo preenchido desta forma."
    Em 2010, Kemp sugeriu pela primeira vez que Da Vinci pintou o retrato, e desde então, os historiadores da arte têm debatido sobre a origem e seu o pintor. Na verdade, vários historiadores de arte contactado por LiveScience disse que não iria comentar sobre a peça ou não retornar os e-mails. Um exame anterior da obra de arte por uma galeria em Viena levaram o diretor não quer dizer que não era um da Vinci, e eles não se deixam convencer pela nova evidência.
    culture, Leonardo da Vinci, lost and recovered art, art auction, renaissance art, art controversy, sforzidad, ancient book,
     
    The debated portrait might 
    have been created by Leonardo da Vinci.
    CREDIT: artwork in the public domainView full size im

    O retrato foi enviado para Christie, em 1998, 
    mas historiadores de arte tem sugerido
    que a peça veio do século 19 , de artistas alemães 
    chamados os nazarenos, 
    que imitavam o estilo renascentista. 
     
     (Este foi refutada após a datação por carbono estimado criação do retrato entre 1440 e 1650.) Foi intitulado 
     
    "Cabeça de uma jovem em perfil
    para a esquerda no vestido da Renascença."

    Kemp não se convenceu e começou a procurar na história da pintura. Viu pela primeira vez o retrato como um anexo de um e-mail em 2008, e imediatamente reconheceu o estilo da Vinci é canhoto. Ele foi para vê-lo em Zurique e seu co-autor, Pascal Cotte, engenheiro e fundador da análise arte start-up Tecnologia Lumiere, examinou-o em Paris.
    Kemp e Cotte, em seguida, publicou "La Bella Principessa: The Story of a Masterpiece Nova por Leonardo da Vinci," (Hb Hodder, 2010) alegando que o trabalho pode ser um da Vinci, uma reivindicação que muitos historiadores respeitados, porém, discordam, alguns com veemência. [Mistérios mais negligenciado da História]
    O retrato é feito em pergaminho, uma pele especialmente preparados normalmente utilizado para escrita e impressão. Nenhuma obra de Leonardo da Vinci foi encontrado em pergaminho antes, apesar de ter sido usados ​​com freqüência em livros. Os investigadores acreditam que o retrato veio de um livro, porque três das costuras são visíveis na margem esquerda do retrato. Também é feita de giz e tinta, não pintar.
    Um presente de casamento

    "A chance de identificar o livro vellum veio foi muito pequena, uma agulha no palheiro, uma dizia:" Kemp disse LiveScience. Que era, até o historiador de arte americano Edward Wright DR da University of South Florida, Kemp sugeriu que olhar para um conjunto de livros com o título de "Sforziad".

    Havia no máximo quatro cópias feitas, Kemp disse. Além da cópia na Biblioteca Nacional em Varsóvia, há uma cópia em Londres e um em Paris. Cada livro foi feito por encomenda e teve de arte diferentes e páginas de rosto; evidência de que este retrato foi "rasgado" fora só foi encontrado no livro de Varsóvia. A imagem provavelmente foi removido durante o século 18, quando o livro foi rebote, Kemp disse.

    Da Vinci  residia  com o duque de vários anos entre 1481 e 1499.
     
    culture, Leonardo da Vinci, lost and recovered art, art auction, renaissance art, art controversy, sforzidad, ancient book,

    Matching página do livro
    Ads by Google

    "Sabíamos que veio de um livro,  tem  furos da costura e pode se ver o corte da faca. Encontrá-lo é um milagre de uma maneira. Fiquei espantado", Kemp disse LiveScience. "Ao fazer a pesquisa histórica em 500 anos de idade, objetos ... você mal começa o círculo preenchido desta forma."

    Em 2010, Kemp sugeriu pela primeira vez que Da Vinci pintou o retrato, e desde então, os historiadores da arte têm debatido sobre a origem e ser do pintor. Na verdade, vários historiadores de arte contactado por LiveScience disse que não iria comentar sobre a peça ou não retornar os e-mails. Um exame anterior da obra de arte por uma galeria em Viena levaram o diretor não quer dizer que não era um da Vinci, e eles não se deixam convencer pela nova evidência.

    Do armazenamento para a fonte
    cultura, Leonardo da Vinci, perdido e recuperado de arte, leilões de arte, arte renascentista, a controvérsia arte, sforzidad, livro antigo,
    O retrato pode ter sido debatido criado por Leonardo da Vinci.
    CRÉDITO: arte em domínio público
    Ver imagem em tamanho completo

    O retrato foi enviado para Christie, em 1998, com historiadores de arte há sugerindo a peça veio do século 19 artistas alemães chamados os nazarenos, que imitavam o estilo renascentista. (Este foi refutada após a datação por carbono estimado criação do retrato entre 1440 e 1650.) Foi intitulado "Cabeça de uma jovem em perfil para a esquerda no vestido da Renascença."

    Kemp não se convenceu e começou a procurar na história da pintura. Viu pela primeira vez o retrato como um anexo de um e-mail em 2008, e imediatamente reconheceu o estilo da Vinci é canhoto. Ele foi para vê-lo em Zurique e seu co-autor, Pascal Cotte, engenheiro e fundador da análise arte start-up Tecnologia Lumiere, examinou-o em Paris.

    Kemp e Cotte, em seguida, publicou "La Bella Principessa: The Story of a Masterpiece Nova por Leonardo da Vinci," (Hb Hodder, 2010) alegando que o trabalho pode ser um da Vinci, uma reivindicação que muitos historiadores respeitados, porém, discordam, alguns com veemência. [Mistérios mais negligenciado da História]
    O retrato é feito em pergaminho, 
    uma pele especialmente preparados 
    normalmente utilizado para escrita e impressão.
     
    Nenhuma obra de Leonardo da Vinci foi encontrado em pergaminho antes, apesar de ter sido usados ​​com freqüência em livros. Os investigadores acreditam que o retrato veio de um livro, porque três das costuras são visíveis na margem esquerda do retrato. Também é feita de giz e tinta, não tinta.

    Um presente de casamento

    "A chance de identificar o livro vellum veio foi muito pequena, uma agulha no palheiro, uma dizia:" Kemp disse LiveScience. Que era, até o historiador de arte americano Edward Wright DR da University of South Florida, Kemp sugeriu que olhar para um conjunto de livros com o título de "Sforziad".

    Havia no máximo quatro cópias feitas, Kemp disse. Além da cópia na Biblioteca Nacional em Varsóvia, há uma cópia em Londres e um em Paris. Cada livro foi feito por encomenda e teve de arte diferentes e páginas de rosto; evidência de que este retrato foi "rasgado" fora só foi encontrado no livro de Varsóvia. A imagem provavelmente foi removido durante o século 18, quando o livro foi rebote, Kemp disse.

    Da Vinci era um artista que residia com o duque há vários anos entre 1481 e 1499. 
     
    Ele foi o único artista canhoto
    disseram os pesquisadores no tribunal na época.

     
    culture, Leonardo da Vinci, lost and recovered art, art auction, renaissance art, art controversy, sforzidad, ancient book,
    Marks on the Sforziad and La Bella Principessa line up
    CREDIT: Martin Kemp, Pascal Cotte and Lumiere Technologies
    Matching página ao livro
    cultura, Leonardo da Vinci, perdido e recuperado de arte, leilões de arte, arte renascentista, a controvérsia arte, sforzidad, livro antigo,
    Marcas no Sforziad e Bella La Principessa line up
    CRÉDITO: Martin Kemp, Pascal Cotte e Lumiere Technologies

    Ao exame, Kemp viu que os buracos stitch na página de corresponder-se com a costura no livro, mas não são a única evidência Kemp propõe. Porque pergaminho é feito de peles processadas, cada folha tem qualidades diferentes. A espessura e a composição desta folha corresponde perfeitamente com o pergaminho do livro, disse Kemp.
     
    Há também marcas de corte na borda do livro.

    "Era evidente a partir das evidências que temos sobre o papel vegetal e as folhas em falta, dentro de margens razoáveis ​​de dúvida, que é de onde vem", disse Kemp. "Em 500 anos de idade, você nunca tem a confirmação, tanto quanto quiser, mas isto é tão bom quanto ele ganha."

    Kemp e Cotte ter publicado uma versão curta de seu exame do livro e marca o retrato de corte e ligação, junto com sua análise on-line do pergaminho. A pintura foi renomeado para "La Bella Principessa", embora suas verdadeiras origens ainda são debatidas.

    Ainda está em debate?
    A galeria 
    de arte Albertina, em Viena 
    decidiu não exibir o desenho, porque, 
    quando analisado por esta instituição,
    "ninguém está convencido de que é um Leonardo," 
    galeria de arte diretor Klaus Albrecht Schröder disse ArtNEWS.

    LiveScience perguntou o porta-voz Verena Dahlitz que a galeria de pensamento dos novos dados, ela respondeu com um e-mail:
     
    "Nós ainda acreditamos 
    que não é um desenho autêntico de Leonardo ." 
     
    Quando perguntado sobre quem poderia ter pintado ele, se ele tinha vindo do Sforziad, ela disse:
     
    "Nós achamos que o desenho é do século 19."

    Art blogueiro Hasan Niyazi, em seu blog O Problema Tubo Três, atualizou seu artigo sobre a controvérsia La Principessa Bella em reação a Kemp é encontrar, por escrito, que, em sua opinião, "Os críticos da obra deve agora re-orientar sua abordagem - um argumento que é por um contemporâneo Leonardo ainda pode surgir a partir de alguns. Embora qualquer alegação de que é uma peça mais tarde é menos provável de se levantar contra o corpo de acumular evidências para este trabalho. "

    Muitos dos historiadores contactado por LiveScience se recusou a comentar sobre a peça. William Wallace, um historiador de arte da Universidade de Washington em St. Louis não quis comentar sobre a peça, mas disse: "Acho que é porque alguns, como eu, deseja pronunciar-se sobre uma atribuição improvável, especialmente sem ter visto o original," Wallace disse LiveScience em um e-mail. "Egos são facilmente ferido em um campo pequeno, e Kemp, afinal, é um estudioso muito respeitado."

    Kemp irá publicar suas descobertas em uma edição atualizada de seu livro, "Leonardo" (Oxford University Press, 2011).
    A bolsa da National Geographic financiou a sua pesquisa para o livro, e a rede estará produzindo um documentário sobre a busca da verdadeira origem do retrato ao ar no início de 2012.

    Nota do Editor:
    Este artigo foi atualizado para refletir 
    o nome completo do profissional DR Edward Wright.
    Você pode acompanhar LiveScience e quipe da escritora 
    Jennifer galês no Twitter @ microbelover.  
    Siga LiveScience para as últimas notícias em ciência 
    e descobertas no Twitter @ LiveScience e no Facebook.
    AÇÃO
      (  10 Leonardo Da Vinci Melhores Idéias
        Grandeur minúscula: Fotos impressionantes do muito pequeno
        Top Ten Teorias de Conspiração )

    The portrait was sent to Christie's in 1998, with art historians there suggesting the piece came from 19th-century German artists called the Nazarenes, who mimicked the Renaissance style. (This was disproved after carbon dating estimated the portrait's creation between 1440 and 1650.) It was titled "Head of a Young Girl in Profile to the Left in Renaissance Dress."
    Kemp wasn't convinced and started looking into the painting's history. He first saw the portrait as an attachment to an email in 2008, and immediately recognized da Vinci's left-handed style. He went to see it in Zurich and his co-author, Pascal Cotte, engineer and founder of art analysis start-up Lumiere Technology, examined it in Paris.
    Kemp and Cotte then published "La Bella Principessa: The Story of the New Masterpiece by Leonardo da Vinci," (Hodder Hb, 2010) claiming the work might be a da Vinci, a claim that many respected historians have disagreed with, some vehemently. [History's Most Overlooked Mysteries]
    The portrait is made on vellum, a specially prepared skin normally used for writing and printing. No work by da Vinci has been found on vellum before, though it was frequently used in books. Researchers believe the portrait came from a book, because three stitch holes are visible on the portrait's left margin. It is also made of chalks and ink, not paint.
    A wedding gift
    "The chance of identifying the vellum book it came from was pretty small, a needle in the haystack, one would say," Kemp told LiveScience. That was, until American art historian D. R. Edward Wright of the University of South Florida, suggested that Kemp look at a set of books titled the "Sforziad."
    There were at most four copies made, Kemp said. Aside from the copy in the National Library in Warsaw, there is a copy in London and one in Paris. Each book was custom-made and had different art and cover pages; evidence that this portrait had been "ripped" out was only found in the Warsaw book. The image was probably removed during the 18th century when the book was rebound, Kemp said.
    Da Vinci was an artist in the duke's residence for several years between 1481 and 1499. He was the only left-handed artist in the court at that time, the researchers said.

    Novo! Clique nas palavras acima para ver traduções alternativas. Dispensar
    Ads by Google

    Upon examination, Kemp saw that the stitch holes from the page match up with the stitching on the book, but they aren't the only evidence Kemp puts forward. Because vellum is made from processed skins, each sheet has different qualities. The thickness and composition of this sheet matches up perfectly with the vellum from the book, Kemp said. There are also cut marks on the edge of the book.
    "It was apparent from the evidence we got about the vellum and the missing sheets, within reasonable margins of doubt, that's where it comes from," Kemp said. "At 500 years old, you never have as much confirmation as you like, but this is as good as it gets."
    Kemp and Cotte have published a short version of their examination of the book and the portrait's cut marks and binding, along with their analysis of the vellum online. The painting has been renamed "La Bella Principessa," though its true origins are still debated.
    Still up for debate?
    The Albertina art gallery in Vienna decided not to exhibit the drawing, because when examined by their institution, "no one is convinced that it is a Leonardo," art gallery director Klaus Albrecht Schröder told ArtNEWS.
    LiveScience asked spokesperson Verena Dahlitz what the gallery thought of the new data; she replied in an email, "We still believe that it is not an authentic drawing by Leonardo." When asked who could have painted it, if it had come from the Sforziad, she said: "We think that the drawing is from the 19th century."
    Art blogger Hasan Niyazi, on his blog The Three Pipe Problem, updated his article on the La Bella Principessa controversy in reaction to Kemp's find, writing that, in his opinion, "Critics of the piece must now re-orient their approach — an argument that it is by a Leonardo contemporary may still arise from some. Although any allegation that it is a later piece is less likely to stand up against the body of evidence amassing for this work."
    Many of the historians contacted by LiveScience refused to comment on the piece. William Wallace, an art historian at Washington University in St. Louis wouldn't comment on the piece, but said: "I think because few, like me, wish to pronounce on an unlikely attribution, especially without having seen the original," Wallace  told LiveScience in an email. "Egos are easily bruised in a small field, and Kemp, after all, is a well-respected scholar."
    Kemp will be publishing his findings in an updated edition of his book, "Leonardo" (Oxford University Press, 2011). A grant from National Geographic funded his search for the book, and the network will be producing a documentary on the search for the portrait's true origins to air in early 2012.
    Editor's Note: This story has been updated to reflect the full professional name of D. R. Edward Wright.
    You can follow LiveScience staff writer Jennifer Welsh on Twitter @microbelover. Follow LiveScience for the latest in science news and discoveries on Twitter @livescience and on Facebook.
    SHARE
    This article was updated Sunday, Oct. 16 at 1:37 p.m. ET
    Christie's auction house may have sold a priceless piece of art by Leonardo da Vinci for a little more than $21,000, according to researchers who claim to have identified the origins of the hotly debated painting.(...)
    Investing in Solar? GGAgriculture.net/Solar_Investments
    Free report, high return strategies - invest in the Solar Revolution
    Hiroshige Woodblock Print robynbuntin.com
    Authentic Hiroshige prints for sale Visit our extensive online gallery!
    Death History of Jesus www.y-Jesus.com/History
    Did Jesus Rise From the Dead? Discover the Facts From Scholars
    In 2010, Kemp first suggested that 






    *








    Li

    Fonte:
    This article was updated Sunday, Oct. 16 at 1:37 p.m. ET
    Sejam felizes todos os seres. Vivam em paz todos os seres.
    Sejam abençoados todos os seres.