sexta-feira, 6 de agosto de 2010

ROSA DE HIROSHIMA


Pensem nas crianças
nas meninas cegadas na dor
- rosas despetaladas...


Sejam felizes todos os seres.
Vivam em paz todos os seres.
Sejam abençoados todos os seres.
.

Rosa de Hiroshima e A Paz



Pensem nas crianças
nas meninas de rotas alteradas
- mães das crianças vindouras...

Sejam felizes todos os seres.Vivam em paz todos os seres.Sejam abençoados todos os seres.

HIROSHIMA, 6 de Agosto de 1945, 8h15 - bomba atómica



O toque do sino ouviu-se à mesma hora que, há 65 anos,
o avião norte-americano 
lançou uma bomba atómica sobre Hiroshima.


Rosa de Hiroshima


2 min - 25 jul. 2008
Paz
sapo.pt - Vídeos relacionados

A 6 de Agosto de 1945, os EUA lançaram a primeira bomba atómica da história sobre Hiroshima, situada no oeste do Japão. A explosão nuclear não deixou sobreviventes num raio de mais de um quilómetro. Entre o dia do bombardeamento e o final desse ano morreram cerca de 140 mil pessoas.

64 anos depois, Hiroxima recordou o primeiro ataque nuclear da história. Dezenas de milhares de pessoas, entre as quais sobreviventes, homenagearam as vítimas, numa cerimónia, em que o primeiro-ministro japonês defendeu o fim do armamento nuclear. 

“O Japão foi o único país do mundo vítima da bomba atómica. Os sofrimentos de Hiroxima e Nagasáqui não podem voltar a acontecer. Temos de trabalhar para abolir as armas nucleares e criar a paz mundial”, disse Taro Aso. Há 64 anos, um avião norte-americano lançou uma bomba atómica sobre a cidade japonesa de Hiroshima. Um ataque que se repetiu sobre Nagasáqui. 

O impacto das duas bombas e os efeitos das radiações terão matado 220 mil pessoas. “Temos de convencer os líderes, de uma vez por todas, do desperdício, da futilidade e dos perigos colocados pelas armas de destruição maciça. Perante esta ameaça catastrófica, a nossa mensagem é clara: ‘Juntos, temos de desarmar!’”, disse o secretário-geral da ONU Ban Ki-moon. 

As armas nucleares começaram a ser desenvolvidas nos Estados Unidos durante a II Guerra Mundial. Algumas semanas após o primeiro teste, os norte-americanos lançaram bombas atómicas sobre o Japão, o único período da história em que foram usadas armas nucleares.

(Copyright © 2010 euronews)

Bomba nuclear dos norte-americanos atingiu Hiroxima há 64 anos e até hoje eles a fabricam,impunemente!-Até quando os norte-americanos vão adorar a Maldita bomba atómica?

bomba_atomica.jpg

Quando a bomba veio vi um clarão amarelo e fiquei rodeada pela escuridão. Um edifício de madeira com dois andares que era a minha casa com oito quartos ficou feito em pedaços e cobriu-me.

Quando vim a mim estava tudo negro como breu à minha volta. Tentei levantar-me mas tinha uma perna partida. Tentei falar mas vi que tinha partido seis dentes. Quando reparei que tinha a cara e as costas queimadas, que tinha um corte que ia do ombro até à cintura, rastejei até à margem do rio e quando lá cheguei vi centenas de corpos a boiar. Foi aí que percebi, chocada, que tinham atingido toda a cidade de Hiroshima.

Encontrei uma fila infindável de refugiados todos sem qualquer peça de roupa no corpo e a pele da cara, dos braços e do peito fora arrancada e estava pendurada e, contudo, eles não tinham qualquer expressão. Fugiam em silêncio profundo. Achei que era uma procissão de fantasmas.
Relatos de sobreviventes

Vimos uma nuvem a subir. (...) Estávamos a 33 mil pés e a nuvem estava lá e continuava a subir em ebulição, como se estivesse a rolar e a ferver. A superfície não passava de um ponto negro em ebulição. A única comparação possível é com um barril de alcatrão. Era isso o que parecia. Onde antes estava uma cidade com casas, prédios e tudo o que se via àquela altitude, agora só se viam destroços pretos e em ebulição lá em baixo.
Paul Tibbets

Lembro-me de uma frase das escrituras hindus, o Bhagavad Gita. Vishnu está a tentar persuadir o príncipe a fazer o seu dever e para o impressionar assume a sua forma com vários braços e diz: “agora sou a morte, a destruidora dos mundos.”

Sejam felizes todos os seres.
Vivam em paz todos os seres. 
Sejam abençoados todos os seres.

quarta-feira, 4 de agosto de 2010

PAIXÃO - DE ROSA KATAHIRA



TÁ COM MEDO DA PAIXÃO?

Vivemos em uma sociedade que louva o amor e se assusta com a paixão. O amor é para sempre e a paixão é fugaz. Será mesmo? E daí? Você já viu algum grande feito que não fosse inspirado pela paixão? Porque a paixão nos torna ativos, nos desperta, faz com que evidenciemos o que existe de melhor em nós. Queremos que o objeto do desejo nos descubra e retribua.

Amor é ficar de mãos dadas em um banco de jardim, esperando o tempo passar. A paixão, não. Ela nos leva longe, nos transmuta, nos aproxima de  objetivos distantes. É porque precisamos aparecer, mostrar todas as nossas penas de pavão para nos tornarmos visíveis, o centro das atenções.
Amor é monótono, é a convivência de todo dia que se eterniza,  porque já matou o desejo. Paixão é radical, um eterno junta e separa, que causa estremecimentos só com a possibilidade de ficar sem o par.
Amor dura muito porque as pessoas exigem pouco de si e esperam tudo do outro. Paixão pode ser até efêmera, mas ela  leva você até aonde não imaginaria chegar. Às vezes, corta os caminhos de volta, obrigando a ir sempre além.

Amor aceita mentiras, falcatruas, traições. E tudo perdoa. Paixão é radical, é tudo ou nada. Ou você vem inteiro ou ela te detona. Não dá para mentir, você tem que se entregar de corpo e alma. Amor é segmentado, paixão só admite um de cada, não tem lugar para mais que dois.

Amor adora rótulos, datas de aniversário,  comemorações. Paixão não tem idad
Amor é devagar. Paixão é divagar. Imaginar onde o outro está, o que faz, quando vão se encontrar. Amor é eterno, quando mata é de tédio. Paixão mata. Mata de saudade, mata de vontade, mata de desejo, às vezes, mata de verdade. O outro, por medo da perda. A si mesmo, por medo de perder o outro.
Amor é sentimento. Paixão se realiza descaradamente na cama. Amor é doméstico e domesticado. Paixão é selvagem e aventureira, se arrisca por ruas, avenidas e estradas.

Amor quer casa, se casar e ficar em casa. Paixão acontece de qualquer jeito, em qualquer lugar.

Amor se ensina em livros. Paixão escreve livros.
Amor é apatia, paixão é taquicardia.
Amor é fácil, paixão é complicada.

Talvez seja por isso que o amor necessita de tantas lendas para se justificar. A paixão, não, quando ela bate, se reconhece logo. É se render ou fugir. Não dá para esperar.
Mas é forçoso reconhecer, a paixão escolhe poucos. O amor é mais popular.


Comentarios (1)Add Comment
AMOR & PAIXAO


Desde a origem
pendulamos apaixonados
- parados no tempo.
*
Paixao qual palha
acende,arde flamejante
- rente ao abismo.
*
O corpo gritante
no turbilhão de desejos
- paixão escraviza.
*
O homem na infancia
brinca fazendo guerras
- dentro e fora de si.
*
O amor desde sempre
opera no universo
- a mágica da vida.
*
Sementes que somos
fecundadas nesta terra
- no aprender  amar.
*
Semente de luz
multiplica-se na paixão
-faz-se florida cruz. 
 
*
A união suprema
da rosa no sacro ofício
- despetalar para a luz.
*
O infante navega
trepidante apaixonado
- ancora no amor.
*
Paixão e Amor
forjam creaturas e deuses
- origem e meta. 
 
*
Paixão,o caminho
ferramenta do aprender
- ser Mestre no amor.
*
Na paixão, o ensaio
da trágica-comédia humana
- Amar, o gran-finale. 
 
*
 escrito por Ade, agosto 28, 2009

 O pecado original
todo dia acontece
- multiplicar-se  antes de crescer.

 Fonte:
PEQUENAS EMPRESAS DESESPERADAS
Por  ROSA KATAHIRA


Sejam felizes todos os seres. 
Vivam em paz todos os seres. 
Sejam abençoados todos os seres.

terça-feira, 3 de agosto de 2010

Mercedes Sosa e Milton Nascimento - Volver a los 17


 Volver a los 17

*
Volver a los 17
Después de vivir un siglo
Es como decifrar signos
Sin ser sabio competente

Volver a ser de repente
tan fragil como un segundo

Volver a sentir profundo
Como un niño frente a Dios
Eso es lo que siente yo
En este instante fecundo.

Se va brotando, enredando
Como el muro la hiedra
Y va brotando, brotando
Como el musguito en la piedra

Como el musguito en la piedra.
Hay si...si...si...

Mi paso retrocedido
Cuando el de ustedes avanza
El arco  de las alianzas
Há penetrado en mi nido
Con todo su colorido
Se ha paseado por mis venas
Y hasta la dura cadena.

Con que nos ata el destino
Es como um diamente fino
Que alumbra mi alma serena.


Se va enredando, enredando
Como en el muro lá hiedra
Y va brotando, brotando
Como el musguito en la piedra
Como el musguito en la piedra
Hay si...si...si.

Lo que puede el sentimiento
No lo ha podido el saber
Ni és más claro proceder
Ni el mas ancho pensamiento

Todo lo cambia el momento
Cual mago condenscediente
Nos aleja dulcemente
De rencores y violencias
Solo el amor con su ciencia
Nos vuelve tan inocentes

Se vá enredando, enredando
Como en el muro la hiedra
Y va brotando, brotando
Como el musguito en pedra

Como el musguito en la pedra
Hay si...si...si
El amor es torbellino
De pureza original
Hasta el feroz animal
Sussurra su dulce trino
Detiene a los peregrinos
Libera a los prisioneiros
El amor con sus esmeros.

Al viejo lo vuelve niño
Y al malo solo el cariño
Lo vuelve puro y sincero.

Se va enredando, enredando
Como en el muro lá hiedra
Y va brotando, brotando
Como el musguito en la piedra
Como el musguito en la piedra
Hay si...si...si.

De par en par la ventana
se abrió como por encanto
entró el amor como por encanto
entró el amor con su manto
como uma tíbia mahana
al son de su bella diana
hizo brotar el jazmin
volando cual sereafin
al cielo le puro aretes
y mis anos en 17
los convirtio el querubin

Se va enredando, enredando
Como en el muro lá hiedra
Y va brotando, brotando
Como el musguito en la piedra

Como el musguito en la piedra
Hay si...si...si.

Las mas bella de todas las cosas?
El amor!


Incrível leitura poética-profética ,que com todo seu colorido alumbra a alma de tantos de nós.
E...
Como Violeta podia saber ,que essa pura violência,vem brotando em terras desertificadas,nem mais sedentas de orvalhos, confiante ,satisfeita de ainda estar sob o Sol ,esquecida das corredeiras dos rios, das enchentes, temporais ,num cegar o mais íntimo e absolutamente natural....E quem fica impune após vencer as batalhas do corpo, no afã absurdo de romper os ciclos viciados na repetição? Quem ?

( Radeir)
"O VIAJANTE" - " O LOUCO"
Músicas de
NEY MATOGROSSO

Dizem que sou louca,por eu ser assim, feliz, sem causa, irreverente,meio irracional,meio gente,meio flor, faísca de estrela,chão e ventania a espalhar  ideias e pensamentos hilários, absurdamente  reais ,noite e dia.

Os normais dizem que sou louca, me invejam ,me excluem,e eu sigo meio tonta,mas feliz!
Que espécie de viagem faz  quem, sem apegos , destemido  e insaciável se entrega a eternos e novíssimos acontecimentos, confiante de que está a cada passo escrevendo sua história?
Ai....mas...
O sofrimento vem , toma conta ,antecipando lágrimas e limites,  absurdamente ,à quem se prende no Tempo.

(Radeir)
Sejam felizes todos os seres.
Vivam em paz todos os seres.
Sejam abençoados todos os seres.

QUEM PODE SALVAR A TERRA ? - CARL SAGAN


 COSMOS :
CARL SAGAN


Cosmos - Episódio 13:(Último)
Quem Pode Salvar A Terra ? 
       (Dublado em Português)
 1.02:10 h

Cosmos - Episódio 13: Quem Pode Salvar A Terra ? (Dublado em Português...
11/07/2008 - 1:02:10
Episódio 13 (Ultimo): Quem Pode Salvar A Terra ? Este episódio é a histórica declaração televisiva que refere a necessidade urgente de uma perspectiva planetária para enfrentar a loucura humana...

Este episódio é a histórica declaração televisiva que refere a necessidade urgente de uma perspectiva planetária para enfrentar a loucura da corrida aos armamentos nucleares. No passado, guerreamo-nos uns aos outros, raramente apreciando as semelhanças de todas as culturas e povos da Terra. Mas agora o mundo encontra-se no meio de uma devastadora revolução de nível mundial, conforme se vai encaminhando para uma única comunidade global. Ao mesmo tempo, as máquinas de destruição tornaram-se capazes de arrasar a nossa civilização, e talvez, até mesmo a nossa espécie. A promessa de uma grande civilização científica já foi uma vez destruída pela ignorância e pelo medo, quando no séc. V uma multidão de fanáticos destruiu por completo a grande Biblioteca de Alexandria. Voltamos, a seguir, à viagem de quinze bilhões de anos desde a explosão inicial até ao presente... Um planeta Terra infestado por sessenta mil armas nucleares. O Dr. Sagan argumenta que a nossa sobrevivência não se deve apenas a nós próprios, aos nossos antepassados, ou aos nossos descendentes, mas também a esse Cosmos, antigo e enorme, do qual despontamos.

Fonte:

Mais informações: http://www.carlsagan.com/ http://pt.wikipedia.org/wiki/Cosmos 
 
http://pt.wikipedia.org/wiki/Carl_Sagan 
 
http://www.documentarios.org/serie/detalhar/26/serie_cosmos 
 
http://www.aeroespacial.org.br/educacao/documentarios.php«


Sejam felizes todos os seres.
Vivam em paz todos os seres.
Sejam abençoados todos os seres.



segunda-feira, 2 de agosto de 2010

8 – TERRA À VISTA - O SENTIDO DA ESPERA


João Batista Menzzomo
Parte Final

O SENTIDO  DA ESPERA

8.1 – O QUERUBIM E SUA ESPADA - O SENTIDO DA ESPERA
  Reportando-nos mais uma vez ao relato do Gênesis, quando Javé Deus viu que o homem havia comido do fruto proibido, ele colocou em frente à segunda árvore um querubim com uma espada chamejante, para impedir que o homem comesse também de seu fruto e vivesse eternamente.  Ou seja, existe um obstáculo a impedir que o homem conquiste a imortalidade. Presumivelmente, Cristo veio para levar o homem a aquele jardim mágico, para que ele possa colher da árvore da vida e viver eternamente. Cabe então um questionamento: Qual seria o sentido deste obstáculo?

  O sentido é o de que, em cada elo evolutivo, existe um tempo necessário e uma cultura a acumular, antes que o ser possa ir para o elo seguinte. Aqui também então é necessário que atinjamos certos requisitos antes que possamos nos perenizar, a nós e a toda a criação. Pois se fosse possível fazermos isso já no surgimento do ser humano, teríamos feito um mundo muito próximo ou mesmo igual ao encontrado, e não é este o desejo da natureza em evolução. Ademais, neste caso não haveria sentido em toda a história do homem. No entanto, nada é sem sentido, e o sentido da história é que o homem descubra, no decorrer dela, como efetivamente quer construir este mundo novo. Somente quando descobrir o que significa para ele felicidade, e somente quando puder construir no mundo mesmo uma imitação desta perfeição, o querubim – cuja espada é, simbolicamente, justamente a razão – baixará guarda e o deixará passar.  Descobriremos então que o mundo é mágico, e que tudo é possível para o homem.

  8.2 – EM QUE CONSISTE O MÁGICO
  Do ponto de vista da racionalidade presente, mágico é tudo aquilo que a ultrapassa, ou seja, tudo aquilo que se mostra impossível à luz da razão especulativa. Porém, a razão especulativa não é absoluta, antes se funda na lógica formal, a qual se mostra inadequada para descrever o mundo, em sua totalidade, do mesmo modo que a geometria euclidiana, que se apóia nela. Porém, o mundo em sua totalidade parece se adequar a algumas geometrias não euclidianas. Se pudermos conceber uma outra lógica, inerente a tais geometrias, que se adeqüe ao mundo como observado em sua totalidade, presumivelmente poderemos basear nela uma outra racionalidade. Justamente, esta outra racionalidade é a magia, pelo simples fato de ela ultrapassar a razão especulativa.

     Deste ponto de vista, a questão mágica é uma questão “de” lógica. Por outro lado, podemos dizer também que ela é uma questão lógica. Pois, se o ser humano anseia por algo mais do que o mundo como se apresenta – e é um fato que ele anseia – é lógico supor que ele terá em alguma medida de descobrir ou redescobrir a magia. Pois nada pode satisfazer nossos anseios de vida eterna e felicidade plena que não seja a magia.  Já que, do ponto de vista das “leis da natureza”, a realização de nossos anseios é impossível, só poderemos realizá-los numa “outra natureza”, que ultrapasse a primeira e seja, portanto, mágica. Por outro lado, se tal anseio foi posto no peito do ser humano, e ao que tudo indica é ele o agente do plano estipulado em outra esfera, podemos concluir que tal anseio prende-se a uma necessidade cara à natureza mesma. E ela só nos parece impossível por estarmos cegos pela razão especulativa. E se queremos vencê-la e recuperar a visão, teremos de sair da simples especulação, onde ela nos mantém presos, e partir para a ação.
 
8.3 – A NECESSIDADE DE AGIR
            O ser humano, desde que se tem noticia, vive sob a mais espessa ignorância.  Não sabemos quem somos, de onde viemos, para onde vamos. Sabemos que vamos morrer, e que isto se dará provavelmente logo, mas isso nós sabemos apenas por que observamos que tudo o que está vivo morre. Mas não sabemos ao certo o que nos aguarda após a morte, nem se existe algo que nos aguarda. E nem tampouco sabemos se é possível fugir da morte, e se nosso destino depois dela depende em alguma medida do que possamos fazer ou deixar de fazer enquanto vivos. Neste terreno, à luz da fria racionalidade, só podemos dizer, como Sócrates: só sei que nada sei.

Não obstante, apesar de não sabermos o sentido da vida e qual o nosso destino, nós acreditamos saber algo, e agimos como se soubéssemos. E isso se deve, por um lado, a uma necessidade que temos de possuir algum grau de certeza, mesmo que no fundo nossas certezas não possam ser assim consideradas, antes conduzem ao vazio se olhadas profundamente. No cotidiano de nossas vidas, preferimos deixar as dúvidas de lado e seguir adiante, agindo mais ou menos de acordo com nossos semelhantes e com o que preconiza a cultura da qual fazemos parte.

            Por outro lado, nossas pretensas certezas vêm da busca que alguns de nós fizeram, e ainda fazem, em nome do grupo, ainda que alguns sejam céticos quanto a isso e pensem poder viver sem estas certezas vazias. Pois nessa busca, acabamos encontrando algo, que acaba vindo para a cultura, tornando-se o seu fundamento, e do próprio mundo. No que tange à nossa vida e o que nos aguarda, nós não sabemos, mas a maioria acredita nas palavras de certos ícones, os quais pretensamente receberam orientação daquela instância alhures que a tudo comanda. Ou seja, exemplificando, se nunca falamos com Deus de forma real, nem estivemos em sua morada, a maioria dos cristãos acredita que Jesus Cristo já o ouviu, e também esteve lá e voltou para fundar a Igreja. Mas, sinceramente, será que acreditamos realmente nisso? E mesmo que acreditemos, será que a humanidade vai viver eternamente acreditando em algo que não vê com seus próprios olhos e ouve com seus próprios ouvidos?

            Ademais, mesmo que acreditemos e continuemos pela eternidade a fora a acreditar piamente nisso, devemos ao menos admitir que existem diversos pontos pouco claros no que nos transmitiram nossos ícones.  E este é um assunto por demais sério para que ajamos como crianças confiando cegamente no “pai”. Dizer isso não é uma afronta a Deus, pois, se ele existe, foi ele quem botou no homem a capacidade de duvidar e especular. Se ele não existe, então não estamos afrontando nada. E, numa terceira hipótese, a de ele existir, mas nos iludir e querer nos manter presos na ignorância, então é aconselhável que pensemos seriamente sobre o que fazer. Porém, se agimos seguindo o fluxo de nossa natureza essencial, não há o que temer, de modo que  este medo e reverência diante de um possível “Deus” é mais uma coisa que deve ser reputada à nossa imaturidade ou, o que é o mesmo, à nossa ignorância em relação à realidade essencial. Sob qualquer hipótese, é este desconhecimento que devemos temer.

            Então, tomemos aqui apenas alguns aspectos que não ficaram claros na mensagem de Jesus. Ele nos disse que voltaria em breve para redimir os vivos e os mortos, mas efetivamente não voltou até os dias de hoje. Ou nós não o compreendemos, ou ele não sabia detalhes de sua missão. De modo que hoje os cristãos continuam esperando a sua volta, mas ao mesmo tempo acreditam que poderão ser salvos após a morte pela crença nele, de acordo com os próprios ensinamentos de Jesus. Mas não ficou claro como isso seria possível concretamente. Onde está concretamente esta “morada do pai”? Está certo, para Deus tudo é possível. Se assim é, então perguntamos: por que ele precisa então que ajamos de determinada forma? Se ele de fato nos ama, e tudo pode, por que não fez logo um mundo perfeito, em que não tivéssemos “caído no pecado”? Ora, na hipótese de existir de fato um Deus, e ser de um modo ou de outro nosso criador, que deseja o melhor para nós, é possível que ele não tenha constituído um mundo perfeito por precisar que façamos certas escolhas, pois a evolução quer nos levar para um ponto diverso do que estamos. Neste caso, fica claro que o desenlace final desta história depende de uma ação do homem, caso contrário tudo já estaria resolvido.

            Não obstante, tudo isso são hipóteses, às quais não podemos ter certeza, a não ser que façamos algo para aferi-las concretamente. E temos motivos muito sérios para fazê-lo. Pois, poderíamos pensar: se está no futuro do homem viver eternamente; se tudo será possível para ele quando recuperar a magia e; se desejamos a felicidade plena, e ela só é possível se for com todos e para todos, a conclusão lógica é que todos ressuscitaremos após a morte, o nos reconciliaremos uns com os outros. Por isso, não necessitaríamos nos preocupar com o problema, pois, se não agirmos, outros depois de nós agirão.

Mas acontece que, em primeiro lugar, não sabemos se nossa tese está correta. Em segundo lugar, mesmo que ela esteja, não podemos saber se o ser humano vai descobrir e implementar de fato essa possibilidade, ou se vai deixá-la como mera possibilidade. Pois o ser humano tem um inimigo que está o tempo todo à sua espreita, e um dia fatalmente o vencerá: o tempo. E se não conseguirmos saltar para fora de sua lei antes que chegue este dia, é possível, ao menos em tese, que nossos belos anseios permaneçam como sonhos de uma espécie adolescente, que nunca amadureceu de todo. Neste caso, presumivelmente, tudo o que já existiu continuará existindo, mas num nível insuficiente para nossos anseios de vida em abundância, visto que o ser humano não terá conseguido fazer o seu resgate antes de desaparecer como espécie.

            Pois a espécie humana é uma espécie como outra qualquer. Como todas as espécies vivas, ela tem um nascimento, uma vida e uma morte. Ou seja, seria um contra-censo absoluto pensar que a espécie humana seja eterna, pois todas chegam um dia ao fim, o que significa que não conseguem mais se reproduzir e se extinguem, muitas vezes sem deixar sucessor. No nosso caso, se olharmos algumas coisas que estão acontecendo hoje, poderemos pensar que este fim pode estar mais perto do que imaginamos. Por exemplo, vemos na prática uma crescente queda da fertilidade da espécie humana. Isso é atribuído ao “stress” e outras causas, mas, se um ser extinto qualquer tivesse adquirido a consciência, provavelmente teria achado também explicações para o problema. Porém, ele se extinguiu por que acabou seu tempo de viver no planeta, e, repetimos, quando este dia chegar para o ser humano, não haverá fecundação “in vitro” nem nada que nos possa garantir uma continuação pelas “leis da natureza”. Antes que isso aconteça, seria aconselhável que nossa espécie descobrisse afinal se é possível fugir de tais leis, e isso exige ação, mais que especulação.

De modo que temos de deixar para trás nossa velha forma de viver, uma forma imatura, que fica a esperar que as coisas se resolvam, e sair para uma ação de descobrimento do que nos está oculto. Por exemplo, se não sabemos quem somos, temos de tentar descobrir. Se não falamos com Deus, temos de tentar falar com ele, e fazer com que ele efetivamente fale conosco. Se acreditamos que existe outra possibilidade, ou um lugar onde poderemos viver depois de mortos, temos de tentar ir efetivamente para lá, e depois voltar, da mesma forma que fomos ao mar, e ao espaço sideral, e voltamos para contar. Se Jesus pretensamente fez isso, por que não podemos nós mesmos fazê-lo?

            Ora, é porque nós não sabemos como fazer. Mas se alguém não sabe como fazer algo, ou é por que tal coisa não é possível, ou por que está fora de suas possibilidades, ou por que não tentou aprender. Se assim é, só poderemos descobrir qual é o nosso caso se tentarmos. E por que ainda não tentamos? Por que nós não sabemos como, ou porque não queremos, ou por que tememos, ou por que não podemos.

            Bem, como podemos perceber, estamos andando em círculos. Aliás, este círculo que simulamos acima é uma imitação da própria vida do ser humano, preso que estamos numa cadeia da qual somente poderemos sair por nossa própria vontade e ação. E para sair dela, precisamos romper o círculo.  E para rompê-lo, temos de agir, mais do que pensar. Mas para agir nós temos de compreender, pois ninguém sai a caminhar se não vê um chão seguro para fazê-lo. Tentemos compreender, inicialmente, como nós nos colocamos nesta cadeia, inadvertidamente.

            Justamente, nós nos colocamos nesta cadeia quando nos pusemos a caminho em direção a outro ponto evolutivo. Como bem disse Heráclito, antes mesmo que a filosofia existisse na forma que ela existe até os dias de hoje, o movimento é uma ilusão. Então, para nos pormos em movimento, tivemos de deixar para trás metade da realidade. Conseguimos com isso refletir essa mesma realidade, como num espelho, mas a imagem refletida é apenas uma cópia daquela realidade essencial.

A parte que resultou obstaculizada lá em nossa infância coletiva, desde aquele momento pressiona por voltar, de modo que a história do pensamento e da própria vida é a história desta interação do ser com o não-ser. A Idade Moderna nasceu justamente de um aprofundamento desta interdição. Mas depois que houve este aprofundamento, em Hegel a filosofia deu-se conta que o ser humano ia querer, mais dia menos dia, romper esta interdição. Por isso Hegel retornou a Heráclito, para tentar mergulhar para dentro daquela natureza fluida, que estava interditada. Mas seu mergulho foi apenas reflexivo, pois não era a hora nem o lugar de fazê-lo em toda a plenitude. Seguindo o curso dessa formulação de Hegel, depois dele toda a filosofia tentou buscar uma práxis, mas como ainda estava presa numa visão de bem e mal, muitas inventaram seu inferno particular, e acabaram redundando no fracasso. Outras, como as que surgiram de Husserl, apesar da intenção, não conseguiram de fato criar uma práxis que desafiasse o mundo, como se depreenderia de suas especulações, pois se tratava de homens “sérios”, que tinham uma imagem a zelar. E para desafiar de fato o mundo como se apresenta, teremos de desconstruir também o ego e a personalidade, pois eles são os tijolos com que construímos nossa “mentira coletiva”.

Hegel preconizou uma filosofia que era como o vôo do pássaro de Minerva, que somente ocorre ao entardecer, significando que ela vem apenas depois que a realidade já ocorreu. Na linha de Hegel, Heidegger, desconfiando que pudesse não ser exatamente assim, questiona se ela seria apenas a salvaguarda da rátio, e neste caso, estaria vinculada à própria razão. Contudo, na essência, filosofia é amor ao conhecimento, e tem forte componente intuitivo, o que dá a ela acesso direto ao abstrato, sede do ontem, do hoje e do amanhã. Diante do mundo ela nos põe no espanto, de modo que tentará sempre, e conseguirá, antecipar a realidade, ultrapassando a própria lógica formal e a razão especulativa.

Como já foi dito por alguém, quando falamos já entramos em contradição, o que mostra a limitação do discurso racional para descrever o mundo real. E vemos aqui como o próprio Hegel supostamente foi pego nesta teia. Pois ele antecipou a totalidade reflexivamente, uma totalidade que terá de acontecer como possibilidade que ultrapasse a simples reflexão. Esta possível antecipação de um previsível futuro em Hegel contradirá então sua própria formulação da filosofia, a mostrar que ele teve a intenção de voltar a Heráclito e a um conhecimento que compreendesse ser e não-ser, mas ainda estava demasiadamente preso nas garras daquela que nos cega, afastado da realidade essencial por sua especulação.

Se num passado nos separamos da natureza essencial e depois aprofundamos esta separação, quando criamos um espaço especulativo, isso era necessário para que descolássemos da mera natureza e inventássemos um caminho novo, como que uma “segunda natureza”. E tal descolamento acontece devido ao fato de a realidade viva conter junto o não-ser. Com nossa especulação nós, figurativamente, matamos tal realidade viva e dissecamos seu cadáver, mas ele é apenas uma sombra dela. Uma sombra, no entanto, que nos serve de guia. Mas agora nós queremos ir além, queremos novamente encarar a realidade viva, e para isso devemos saber o que fazer.

          Ora, em primeiro lugar temos de sair da simples especulação. Para isso, temos de acreditar que existe algo como o abstrato, e que é possível acessá-lo. No que tange a filosofia, ela construiu edifícios de metafísica, mas agora deve simplificá-los, em nome da ação. Também, no que tange a religião, temos de deixar de tratar o sobrenatural como sagrado, ou como algo inexistente, pois assim agindo nós o alçamos, ou reduzimos, quando na verdade ele deve ser posto em nosso nível, para que possamos interagir com ele de igual para igual. Isso deve ser feito sem o abandono da razão, antes pelo contrário, pois seu verdadeiro uso é justamente o de ser a arma do ser humano contra o desconhecido. Se temos de fazer este descobrimento do abstrato, do qual o descobrimento da América foi um ensaio, façamos como a Escola de Sagres, que acreditou na existência de um outro mundo depois do mar. Para chegar a ele, constituiu-se efetivamente como uma instituição, que levou em conta a especulação de seu tempo, mas simplificou-a no objetivo de cruzar o mar. Igualmente, ela levou em conta a religião, mas a agregou de forma pragmática ao seu próprio ímpeto de descobrir mundos. Por isso ela inscreveu a cruz em suas velas, como um escudo e um alento aos ousados tripulantes no longínquo mar.

          Em segundo lugar, por outro lado, temos de desafiar a razão especulativa, pois é ela que nos mantêm presos nesta sala de espelhos. Desafiar a razão significa, por exemplo, não ter medo de fazer filosofia como curiosidade. Não ter medo de supor disparates. Não ter medo do julgamento dos outros. E uma série de coisas que são todas fruto da razão especulativa, que espelha o mundo e também a nós mesmos, nos concedendo uma personalidade a qual nos pomos a defender, mas nós somos algo diverso dela, da mesma forma que tudo é diverso do que a razão descortina. Então, temos de deixar de temer pela nossa imagem e ousar deixar aflorar o que reside em nosso peito, nossos anseios, mesmo que eles pareçam impossíveis ou risíveis à luz da razão. De novo aqui, temos de fazer como a Escola de Sagres, que ao invés de desdenhar de si mesma e do povo português, em sua pobreza e em seu espírito messiânico, buscou sua própria autenticidade e não teve vergonha de se abraçar a ele. Desta forma, levou a Europa aonde nenhuma das “grandes potências” tinha levado.

Em terceiro lugar, nós temos de compreender tudo, numa nova totalidade, mas este compreender assume todas as formas possíveis. Temos de compreender todas as formas de pensar, e todas as formas de viver, mesmo as consideradas inadequadas. Temos de agregar tudo, nos pondo em concórdia com tudo. Pois, falando metaforicamente, existe um mecanismo que somente deixará a possibilidade mágica ressurgir quando conseguirmos novamente juntar tudo, como era antes que esta espada, a razão, esfacelasse o mundo numa imensidão de partes. Pois todas as diferenças e mesmo as desigualdades se originam em última instância dos efeitos da arma do ser humano por excelência, a razão, aplicada de forma cega. Para recuperar a visão e o uso correto da razão temos antes que “simular” um novo mundo, que a tudo acolha.

Assim, teremos de compreender o passado, o outro, a magia, o inimigo, ou seja – tudo, nos despindo de absolutamente todos os preconceitos. Somente com esta espécie de conc órdia universal poderá o ser humano canalizar a energia que abrirá novamente a possibilidade mágica. E mais uma vez temos de agir como a Escola de Sagres, que formou destemidos navegadores, ávidos por misturar terras e gentes.  Montados neste espírito e nesta ousadia dos lusos, que nascem à beira do fim, eles cruzaram o mundo e cruzaram seus genes com o mundo, e uma das coisas que eles fizeram foi o Brasil.

8.4 – QUEM NÃO GOSTA DO BRASIL?
Acima referimos a importância da cultura portuguesa neste possível novo descobrimento, o descobrimento do abstrato. E referimos mesmo, linhas atrás, que este é o sentido oculto do poema Mensagem de Fernando Pessoa, visto ele como um dos sinais que o abstrato nos enviou através da arte. E naquele poema, em seu início, a Europa está a olhar, debruçada e posta nos cotovelos, para o ocidente. Vejamos o final desta primeira parte do poema:
    “………………………………

    Fita, com olhar esfíngico e fatal
O ocidente, futuro do passado
    O rosto com que fita é Portugal”

  Se o poema é uma mensagem do abstrato, que veio através de Pessoa, o abstrato está a nos dizer que o futuro passa pela América.  E a América, como uma projeção da Europa (futuro do passado), possui ela mesma um Portugal: é o Brasil. Então, se falta cumprir-se Portugal, o futuro do passado que efetivará este cumprimento é o Brasil. Mas o que significaria fazer cumprir-se Portugal? Ora, seria liderar o mundo num novo e derradeiro descobrimento.

Isso concordaria de alguma forma com uma idéia antiga, de que o Brasil é o país do futuro. Esta impressão é mais do que um recurso usado nos chamados anos de chumbo, e se prende a uma sensação real que tem o brasileiro, e mesmo estrangeiros quando se referem ao Brasil. E coincidentemente, todas as necessidades que apontamos para que venha afinal esta possibilidade mágica de descobrir um mundo que está encoberto, parece que vicejam naturalmente neste país de alma tolerante e acolhedora, e onde toda a cultura se apresenta como uma fina mistura de todas as coisas.

  É que a Europa, como ser orgânico que é, tem um fim. No sentido de finalidade e também de desaparecimento. E estes dois sentidos se unem no sentido evolutivo: ela presumivelmente desaparecerá como modo de constituir o mundo, para dar lugar a uma nova forma de viver. E próximo ao seu fim desenvolve-se uma cultura da transição, que possibilita dar o salto para uma nova realidade, que por seu turno é, em algum sentido, um retorno ao passado. Como na evolução a realidade sempre é antecipada como um ensaio, a Europa efetuou o descobrimento de sua outra parte, a América, apenas parcialmente. Mas nesta simulação plantou no “futuro do passado” um novo Portugal. Da mesma forma que o primeiro, ele é pequeno frente ao concreto, mas se levantará quando se apresentar seu verdadeiro desafio: o descobrimento do abstrato. E se atentarmos bem, veremos que ele já está a se levantar. E quando ele estiver de pé, poderemos descobrir enfim um mundo que está oculto para nossos olhos, pois eles julgam a realidade e com isso a encobrem, em parte. Mas quando pudermos ver também com nossos ouvidos, um novo mundo, que está aqui mesmo, e agora, se revelará. Quem tem ouvidos para ouvir ouça.
Última Modificação: 18 jul, 2009.



Fonte:
QUEM TEM OUVIDOS
CONSCIÊNCIA .ORG

Sejam felizes todos os seres.
Vivam em paz todos os seres.
Sejam abençoados todos os seres.